Dinâmica Despachante
Receba nossos informativos
Nome
Email
Polícia Federal

Polícia Federal

abaixo, seguem as Legislações sobre o tema:


 
PORTARIA Nº 240, DE 12 DE MARÇO DE 2019  
 
Estabelece procedimentos para o controle e a fiscalização de produtos químicos e define os produtos químicos sujeitos a controle pela Polícia Federal.  
 
O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA, no uso das atribuições que lhe  
confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição; e tendo em vista o disposto no art. 2º da Lei nº 10.357, de 27 de dezembro de 2001; no Decreto nº 4.262, de 10 de junho de 2002; e no Decreto nº 9.094, de 17 de julho de 2017, resolve:  
 
CAPÍTULO I  
 
DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES  
 
Art. 1º Estabelecer procedimentos para o controle e a fiscalização, pela Polícia Federal, dos  
produtos químicos relacionados nas listas constantes do Anexo I à esta portaria. Art. 2º Para os efeitos desta portaria, consideram-se:  
 
I - Certificado de Registro Cadastral - CRC: é o documento que comprova que a pessoa 
física ou  
jurídica está devidamente cadastrada na Polícia Federal;  
 
II - Certificado de Licença de Funcionamento - CLF: é o documento que comprova que 
a pessoa jurídica está habilitada a exercer atividade não eventual com produtos químicos, assim como, de forma equiparada e em caráter excepcional, a pessoa física que desenvolva atividade na área de produção rural ou pesquisa científica;  
 
III - Autorização Especial - AE: é o documento que comprova que a pessoa física ou 
jurídica está  
autorizada a exercer, eventualmente, atividade com produtos químicos; e  
 
IV - Autorização Prévia - AP: é a anuência concedida pela Polícia Federal às operações 
de  
importação, exportação ou reexportação de produtos químicos praticadas por pessoa física ou jurídica.  
 
Art. 3º Para fins de controle e fiscalização, consideram-se:  
 
I - atividade na área de produção rural: refere-se à atividade agropecuária (agrícola, 
pastoril ou  
hortifrutigranjeira) desenvolvida por pessoa física ou jurídica em caráter permanente;  
 
II - atividade de pesquisa científica: refere-se à atividade desenvolvida por pessoa física ou jurídica na execução ou orientação de trabalhos de investigação científica ou tecnológica vinculada à instituição pública de fomento;  
 
III - apreensão: restrição da propriedade em razão de apreensão pela Polícia Federal;  
 
IV - armazenagem: estocagem de produto químico controlado em CNPJ diverso do 
proprietário  
do produto;  
 
V - comercialização: compra, venda, importação, exportação ou reexportação de produto químico  
controlado;  
 
VI - destruição: destruição de produto químico controlado, mediante métodos 
adequados e em conformidade com as normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas 
 
 
XIV - furto: subtração de produto químico controlado;  
 
XV - perda: perda de produto químico controlado devido a sinistro ou dano;  
 
XVI - produção: produção de produto químico controlado, isento ou não controlado, a 
partir de  
matérias-primas controladas;  
XVII - produtos químicos: refere-se somente aos produtos químicos sujeitos a controle e  
fiscalização pela Polícia Federal, relacionados no Anexo I;  
 
XVIII - reaproveitamento: reaproveitamento de resíduo controlado;  
 
XIX - recebimento de doação: recebimento de produto químico controlado a título de doação ou  
amostra grátis;  
 
XX - recebimento de produto armazenado: retorno de produto químico controlado que 
se  
encontrava armazenado em empresa de armazenagem;  
 
XXI - recebimento de produto industrializado: retorno de produto químico controlado 
que foi  
enviado para beneficiamento em outra empresa;  
 
XXII - recebimento de produto para industrialização: recebimento de produto químico 
controlado  
para beneficiamento;  
 
XXIII - recebimento de produto não utilizado na industrialização: recebimento de produto 
químico  
controlado não utilizado no processo de industrialização em outra empresa;  
 
XXIV - recebimento de transferência: recebimento de transferência de produto químico  
controlado entre unidades de uma mesma empresa;  
 
XXV - remessa de produto para industrialização: trata-se da remessa de produto químico  
controlado para outra empresa que o beneficiará;  
 
XXVI - remessa para armazenagem: trata-se de remessa de produto químico controlado 
para outra empresa que presta serviço de armazenagem;  
 
XXVII - resíduo controlado: material resultante de qualquer processo industrial ou analítico que contenha produto químico controlado e possa ser empregado novamente no processo produtivo, ou que seja viável a separação dos produtos químicos controlados;  
 
XXVIII - resíduo controlado não reutilizável: material resultante de qualquer 
processo industrial ou analítico que contenha produto químico controlado, mas que não possa ser reaproveitado nesses processos, ou reciclado, e cuja destinação é a destruição ou o descarte;  
 
XXIX - restituição: restituição de produto químico controlado apreendido pela Polícia 
Federal;  
 
XXX - roubo: subtração de produto químico controlado, com o emprego de grave ameaça 
ou  
violência à pessoa;  
XXXI - transferência: transferência de produto químico controlado entre unidades de uma mesma  
empresa;  
 
XXXII - transformação: processo de transformação de produto químico controlado em outro  produto controlado, envolvendo reação química;  
 
XXXIII - transporte: atividade de transporte de produto químico controlado em CNPJ diverso dos  
atores comerciantes do produto; e  
 
XXXIV - utilização: consumo de produto químico controlado nas atividades da empresa não  
descritas nos demais incisos deste artigo.  
 
Art. 4º São considerados documentos de controle:  
 
I - Certificado de Registro Cadastral;  
 
II - Certificado de Licença de Funcionamento;  
 
III - Autorização Especial;  
 
IV - Mapas de Controle;  
 
V - Notas fiscais, manifestos e outros documentos fiscais; e  
 
VI - Termo ou documento equivalente que comprove a destruição de produto químico.  
 
Parágrafo único. Compete às delegacias descentralizadas, às Delegacias de Controle de Armas e Produtos Químicos (DELEAQs) e às Delegacias de Controle de Serviços e Produtos (DELESPs), bem como à Divisão de Controle de Produtos Químicos, subsidiariamente, expedir os documentos de controle a que se referem os incisos I a III do caput deste artigo.  
 
Art. 5º Para o regular exercício das atividades com produtos químicos controlados, as pessoas  
físicas ou jurídicas deverão se cadastrar na Polícia Federal a fim de obter o CRC, bem como requerer o CLF 
ou a AE.  
 
Art. 6º A pessoa física ou jurídica habilitada somente poderá realizar as atividades com os  
produtos químicos que estiverem ativos em seu cadastro.  
 
§ 1º A pessoa jurídica deverá declarar em seu cadastro a atividade que pretende realizar com  
cada produto.  
 
§ 2º A alteração de atividades e de produtos químicos deverá ser requerida conforme estabelecido no art. 17 desta portaria.  
 
Art. 7º Os certificados e as autorizações definidos no art. 2º serão disponibilizados na forma  
eletrônica.  
 
Art. 8º Os requerimentos, formulários e comunicados estabelecidos nos anexos e outros 
documentos previstos nesta portaria deverão ser enviados via sistema informatizado, conforme orientações da Unidade Central de Controle de Produtos Químicos da Polícia Federal.  
 
Parágrafo único. Todo e qualquer fato que justifique a alteração cadastral deverá ser comunicado  
conforme estabelecido no art. 17 desta portaria.  
 
CAPÍTULO II  
 
DO CADASTRO E LICENCIAMENTO  
 
Seção I  
 
Disposições Gerais  
 
Art. 9º Para o exercício de atividade com produtos químicos, todas as partes envolvidas deverão  
possuir CRC e CLF ou AE, ressalvado o disposto nos arts. 57 e 58 desta portaria e as operações de comércio 
exterior.  
 
§ 1º Para cada estabelecimento, matriz, filial ou unidade descentralizada, será emitido CRC e CLF  
específico, não se lhes aproveitando o certificado para outro CNPJ/CPF.  
 
§ 2º A utilização do produto químico estará adstrita ao endereço principal da pessoa física ou 
jurídica devidamente habilitada, salvo nos casos de órgãos públicos, universidades, produtores rurais e pesquisadores científicos.  
 
Art. 10. Para a concessão de CLF ou AE serão considerados, dentre outros fatores, a relação entre 
os produtos químicos, a atividade, a instalação física, a capacidade técnica e a comprovação de regularidade junto a outros órgãos de controle.  
 
Art. 11. Para fins de redução da Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos prevista no parágrafo único do art. 19 da Lei nº 10.357, de 2001, os interessados deverão atender aos requisitos estabelecidos em legislação federal que disciplina o tratamento diferenciado dispensado às microempresas e às empresas de pequeno porte.  
 
Seção II  
 
Da Emissão de Certificado de Registro Cadastral  
 
e de Certificado de Licença de Funcionamento  
 
Art. 12. O requerimento, Anexo II, de emissão de CRC e de CLF deverá ser instruído com:  
 
I - número do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica - CNPJ;  
 
II - pagamento da Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos, quando não enquadrado  
no art. 18 da Lei nº 10.357, de 2001;  
 
III - número do Cadastro Nacional de Pessoa Física - CPF dos proprietários, do presidente, dos  
sócios, dos diretores, do representante legalmente constituído e do responsável técnico, quando houver;  
 
IV - instrumento de procuração, quando for o caso; e  
 
V - Cédula de Identidade Profissional - CIP do responsável técnico, quando houver.  
 
Parágrafo único. Caso o representante legal não conste do Quadro de Sócios e Administradores - QSA da empresa, deverá ser apresentada cópia de qualquer documento que comprove o vínculo do representante com a requerente.  
 
Art. 13. Quando, no quadro constitutivo do requente, ocorrer a participação de pessoa física ou jurídica, seja nacional ou estrangeira, o requerimento também deverá ser instruído com as informações relativas a essas sócias, caso os dados não constem nos registros da Receita Federal do Brasil.  
 
Art. 14. O requerimento de emissão de CRC e de CLF, quando se tratar de pessoa física que 
desenvolva atividade na área de produção rural ou pesquisa científica, de forma equiparada à pessoa jurídica e em caráter excepcional, deverá ser instruído com as seguintes informações:  
 
I - número do CPF;  
 
II - endereço de utilização do produto químico;  
 
III - pagamento da Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos, quando não  
enquadrado no art. 18 da Lei nº 10.357, de 2001; e  
 
IV - Cédula de Identidade Profissional e comprovante do CPF do responsável técnico, quando  
houver.  
§ 1º No caso de produtor rural, além das informações exigidas nos incisos do caput deste artigo, 
deverá ser anexada a Inscrição de Produtor Rural na Secretaria de Estado da Fazenda ou no órgão de controle equivalente.  
 
§ 2º No caso de pesquisador científico, além das informações exigidas nos incisos do caput deste 
artigo, deverá ser anexado o projeto científico e a publicação do Termo de Aceitação pelo órgão de fomento de pesquisa patrocinador, e, quando houver, declaração de conhecimento do projeto pela entidade de pesquisa à qual o requerente está vinculado.  
 
Seção III  
 
Da Renovação de Certificado de Licença de Funcionamento  
 
Art. 15. O CLF deverá ser renovado anualmente, a partir da data da sua emissão.  
 
§ 1º A renovação deverá ser requerida no período que abrange os últimos sessenta dias de  
validade do CLF, incluindo-se a data do vencimento.  
 
§ 2º O requerimento para renovação de CLF, se protocolizado no prazo previsto neste artigo,  
prorrogará a validade do CLF até a data da decisão sobre o pedido.  
 
§ 3º Será automaticamente cancelado o cadastro se a renovação da licença não for requerida no  
prazo estabelecido no § 1º, sem prejuízo da aplicação das medidas administrativas previstas no art. 14 da Lei 
nº 10.357, de 2001.  
 
Art. 16. A renovação do CLF deverá ser formalizada por meio de requerimento, Anexo II,  
devidamente preenchido e instruído com as seguintes informações:  
 
I - declaração de não alteração cadastral ou estatutária, Anexo II-B; e  
 
II - pagamento da Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos, quando não enquadrado  
no art. 18 da Lei nº 10.357, de 2001.  
 
Parágrafo único. No caso de pesquisador científico, além das informações exigidas nos incisos do caput deste artigo, deverá ser apresentada declaração que comprove a continuidade do(s) projeto(s), emitida pela entidade de pesquisa à qual o requerente está vinculado.  
 
Seção IV  
 
Da Alteração Cadastral  
 
Art. 17. A comunicação de alteração dos dados cadastrais deverá ser formalizada por meio do Requerimento de Alteração - Anexo II, no prazo de até trinta dias da data da alteração e instruído com os seguintes documentos:  
 
I - documentos comprobatórios da alteração; e  
 
II - pagamento da Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos, previsto no inciso I do  
art. 19 da Lei nº 10.357, de 2001.  
 
§ 1º A Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos será devida nos seguintes casos:  
 
I - alteração no endereço de utilização, salvo quando decorrente de determinação do poder  
público; e  
 
II - alteração do representante legal.  
 
§ 2º O requerente, no prazo da renovação de que trata o § 1º do art. 15 desta portaria, poderá formalizar o comunicado de alteração por meio de requerimento de renovação com alteração, Anexo II, instruído com os mesmos documentos de que tratam os incisos I e II do caput.  
 
§ 3º Nos casos em que o interessado efetive a mudança física do estabelecimento, mas ainda não seja detentor de documento comprobatório da alteração de endereço, deverá formalizar o comunicado de alteração por meio do requerimento, Anexo II - C, observado o prazo de trinta dias estabelecido no caput deste artigo.  
 
§ 4º Realizada a comunicação do § 3º, o interessado deverá formalizar esta alteração por meio do requerimento, Anexo II, no prazo máximo de vencimento de sua licença, instruído com os documentos de que tratam os incisos I e II do caput.  
 
§ 5º A alteração de atividades e de produtos químicos deverá ser prévia à prática da atividade,  
atentando para o disposto no art. 6º desta portaria.  
 
Seção V  
 
Da Suspensão Definitiva de Atividade e do Cancelamento da Licença  
 
Art. 18. A suspensão em caráter definitivo de atividades sujeitas a controle e fiscalização deverá ser 
formalizada à Polícia Federal no prazo máximo de trinta dias, a contar da data da suspensão da atividade, por meio do requerimento constante do Anexo II - Cancelamento do CRC, CLF ou CRC e CLF.  
 
Parágrafo único. É pré-requisito para o requerimento de cancelamento a destinação total dos  
produtos químicos em estoque.  
 
Seção VI  
 
Da Emissão de Autorização Especial  
 
Art. 19. O requerimento de emissão de AE, Anexo II, deverá ser instruído com:  
 
I - pagamento da Taxa de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos, quando não enquadrado  
no art. 18 da Lei nº 10.357, de 2001;  
 
II - demais informações definidas no art. 12 para pessoa jurídica, e no art. 14 para pessoa física,  
atendidas as disposições dos respectivos parágrafos; e  
 
III - documentos comprobatórios da necessidade da realização de atividade eventual com  
produtos químicos.  
 
§ 1º O requerente deverá justificar em campo próprio do formulário a necessidade da realização de atividades com produtos químicos, especificando a utilização que será dada a cada produto químico requerido.  
 
§ 2º A AE fica condicionada à aprovação do cadastro, à avaliação quanto à natureza da atividade  
econômica desenvolvida pelo requerente e à eventualidade da utilização do produto.  
 
Art. 20. A AE terá o prazo de validade improrrogável de cento e vinte dias, contados a partir da data 
de emissão e abrangerá somente a prática das atividades com os produtos químicos nela especificados nas quantidades, concentrações, densidades e com os fornecedores indicados.  
 
Parágrafo único. O cancelamento de AE somente se dará no caso de desistência de sua utilização  
e deverá ser formalizado por meio de requerimento, Anexo II.  
 
Art. 21. Tratando-se de AE para fins de importação, exportação ou reexportação de produtos químicos, o requerente deverá atender, também, ao disposto no Capítulo III - Do Controle de Comércio Exterior.  
 
CAPÍTULO III  
 
DO CONTROLE DE COMÉRCIO EXTERIOR  
Seção I  
Disposições Gerais  
Art. 22. A Unidade Central de Controle de Produtos Químicos da Polícia Federal emitirá Notificação Multilateral em cumprimento aos acordos e convenções internacionais dos quais o Brasil é signatário.  
 
§ 1º A Notificação Multilateral é o procedimento prévio de troca de informações entre países, por intermédio dos seus respectivos órgãos de controle, sobre operações de comércio exterior com produtos químicos.  
 
§ 2º A rotina e os prazos para aplicação deste artigo ficarão a critério da Unidade Central de Controle de Produtos Químicos da Polícia Federal, atendidas as orientações dos acordos e convenções internacionais.  
 
Art. 23. Para efeito de maior controle e fiscalização das atividades de comércio exterior, é facultado 
à Polícia Federal estabelecer, por meio de Instrução Normativa da Polícia Federal, pontos de entrada e saída permitidos em território nacional para os produtos químicos relacionados no Anexo I.  
 
Parágrafo único. Ocorrendo a situação prevista neste artigo, o respectivo desembaraço alfandegário será realizado no ponto de entrada autorizado no território nacional.  
 
Art. 24. Como medida adicional de controle, a Unidade Central de Controle de Produtos Químicos  da Polícia Federal poderá estabelecer, para pessoa física ou pessoa jurídica previamente autorizada, cota anual de importação para qualquer um dos produtos químicos relacionados no Anexo I, e, ainda, mediante justificativa técnica, cota suplementar de importação para o mesmo período.  
 
Parágrafo único. A Polícia Federal poderá adotar os mesmos critérios técnicos utilizados por outros 
órgãos oficiais de controle, inclusive homologar as cotas de importação concedidas por esses órgãos.  
 
Art. 25. Os procedimentos relativos à importação, exportação e reexportação de produtos  
químicos ficam sujeitos ao tratamento administrativo obrigatório nos sistemas oficiais de controle.  
 
Seção II  
Da Autorização Prévia  
Art. 26. A Polícia Federal concederá Autorização Prévia - AP às atividades de importação,  
exportação ou reexportação de produtos químicos sujeitos a controle e fiscalização.  
 
Art. 27. O requerimento de AP, Anexo III, deverá ser instruído com os seguintes documentos:  
 
I - fatura pró-forma com o nome do produto, quantidade, concentração, densidade, valor da mercadoria, além da identificação do importador/exportador e do adquirente, do fabricante e dos dados disponíveis relativos ao transporte;  
 
II - conhecimento de embarque, quando for o caso; e  
 
III - outros documentos que a Polícia Federal considere necessários para a análise da 
AP.   
 
Parágrafo único. Caso a fatura pró-forma não atenda ao disposto no inciso I, no que tange às informações de concentração e densidade do produto, deverá ser anexada também a ficha técnica do produto.  
 
Art. 28. A AP somente será concedida para pessoa física ou jurídica que detenha CLF ou AE  
válidos.  
 
Parágrafo único. Nos casos de importação por conta e ordem, a importadora deverá informar no  requerimento de comércio exterior, além dos seus dados, o nome, o CNPJ e o CLF ou a AE do adquirente.  
 
Art. 29. As operações submetidas a regimes aduaneiros especiais não estão dispensadas da  
obtenção de AP.  
 
Art. 30. O embarque de produtos químicos somente poderá ocorrer após o deferimento da AP.  
 
Art. 31. Ocorrendo qualquer mudança nas características da operação, deverá o interessado  
solicitar alteração da AP, que estará sujeita a nova análise da Polícia Federal.  
 
§ 1º Para os produtos químicos importados, exportados ou reexportados a granel, haverá 
tolerância de até 10% (dez por cento) na quantidade previamente autorizada ao embarque, e, para as demais formas de apresentação, haverá tolerância de até 5% (cinco por cento).  
 
§ 2º Em caso de produto químico a granel, será necessária a apresentação de Laudo de Arqueação, 
emitido por órgão oficial ou entidade autorizada.  
 
§ 3º Excedido o limite de tolerância definido neste artigo, deve ser solicitada AP complementar  
para a quantidade não autorizada.  
 
Art. 32. O prazo de validade da AP será de:  
 
I - noventa dias para importação, contados a partir da data do deferimento, prorrogável por igual  
período; e  
 
II - noventa dias para exportação ou reexportação, contados a partir da data do deferimento,  
prorrogável, sucessivamente, por igual período.  
 
Parágrafo único. A prorrogação deverá ser requerida dentro do prazo de validade da AP.  
 
Art. 33. Caso seja descaracterizada a operação autorizada após o embarque, será exigida nova AP.  
 
CAPÍTULO IV  
 
DAS REGRAS GERAIS DE CONTROLE  
 
Seção I  
 
Disposições Gerais  
 
Art. 34. Para a quantificação do produto químico, a unidade de medida deve ser considerada em  
quilograma ou litro, utilizando-se três casas decimais, respeitadas as regras de arredondamento.  
 
Art. 35. A densidade será expressa em quilograma por litro e a concentração em percentagem da massa da substância controlada pela massa total do produto químico, utilizando-se duas casas decimais, quando necessário.  
 
Art. 36. Os produtos químicos, quando em estoque ou armazenados, deverão ser devidamente  
identificados para fins de controle e fiscalização, respeitadas as normas específicas de segurança.  
 
Art. 37. Os rótulos de embalagens deverão conter, em local visível e de fácil identificação,  
informações sobre a concentração de cada produto químico e a inscrição:  
 
PRODUTO CONTROLADO PELA POLÍCIA FEDERAL.  
 
Art. 38. As notas fiscais e outros documentos equivalentes deverão conter, no mínimo, o nome, a  
classificação fiscal, a quantidade, o valor do produto químico e a identificação do adquirente, obedecendo 
às regras dispostas nos arts. 34 e 35.  
 
Art. 39. Deverão ser mantidos em arquivo, pelo prazo de cinco anos, para fins de apresentação à Polícia Federal, mapas de controle, notas fiscais, manifestos e outro documentos fiscais.  
 
Art. 40. O produto químico encontrado sem o respectivo documento de controle será  considerado em situação irregular e poderá ser apreendido pela Polícia Federal nos termos do disposto no 
inciso II do art. 14 da Lei nº 10.357, de 2001.  
 
Art. 41. No caso de furto, roubo ou extravio do produto químico, a pessoa física ou jurídica  deverá registrar a ocorrência em unidade policial, e, no prazo máximo de quarenta e oito horas, comunicar o fato à Polícia Federal, mediante preenchimento do Anexo VI à esta portaria, que deverá ser encaminhado via sistema informatizado.  
 
Seção II  
Do Indeferimento de Requerimentos  
 
Art. 42. Os requerimentos para obtenção de certificados, autorizações, cancelamentos e alterações 
cadastrais deverão estar devidamente instruídos conforme as normas estabelecidas nesta portaria, sob pena de indeferimento e perda das taxas recolhidas.  
 
Art. 43. O requerimento indeferido será arquivado, não sendo aproveitados os documentos e as  
taxas pagas.  
 
Art. 44. O interessado deverá acompanhar o trâmite de seus requerimentos por meio eletrônico,  
onde serão disponibilizados os termos e fundamentos do indeferimento.  
 
Seção III  
 
Da Destruição de Produtos Químicos Controlados  
 
Art. 45. Os produtos químicos serão destruídos com as devidas cautelas para não causar danos ao meio ambiente e à saúde pública, mediante o emprego de métodos adequados e em conformidade com as normas estabelecidas pela ABNT e/ou pelos órgãos de controle ambiental e de saúde.  
 
§ 1º O procedimento a que se refere este artigo deverá ser precedido de comunicação formalizada por meio do Anexo V, com antecedência mínima de trinta dias, informando o local onde será feita a destruição ou a destinação.  
 
§ 2º A critério da Polícia Federal, a destruição de produtos químicos ficará condicionada à  
presença de representante da respectiva unidade de fiscalização.  
 
Art. 46. Em caso de risco iminente à saúde pública, ao meio ambiente ou às instalações prediais, os 
produtos químicos poderão ser destruídos ou ter destinação de imediato, devendo tal fato ser comunicado à unidade da Polícia Federal responsável pela circunscrição em que se encontrem os produtos químicos.  
 
Parágrafo único. A comunicação de destinação deve ser formalizada por meio do Anexo V, em até 
quarenta e oito horas, instruída com o respectivo documento de comprovação da destruição ou destinação.  
Art. 47. A destruição de produtos químicos, ainda que apreendidos, será sempre efetuada sob a 
responsabilidade e às expensas da pessoa física ou da pessoa jurídica proprietária ou detentora, mesmo que haja renúncia sobre o bem.  
 
Seção IV  
 
Do Transporte de Produto Químico  
 
Art. 48. O transporte de produtos químicos será efetuado sob a responsabilidade de pessoa física ou jurídica devidamente habilitada pela Polícia Federal, cabendo-lhe o preenchimento dos respectivos mapas de controle.  
 
Art. 49. No caso das atividades de importação, exportação e reexportação, quando o transportador 
não for habilitado, a responsabilidade sobre o transporte de produtos químicos, realizado em território nacional, recairá sobre a pessoa física ou jurídica nacional integrante da relação comercial.  
 
Seção V  
 
Dos Mapas de Controle  
Art. 50. As pessoas jurídicas que exerçam atividades sujeitas a controle e fiscalização, assim como, de forma equiparada e em caráter excepcional, as pessoas físicas que desenvolvam atividade na área de produção rural ou pesquisa científica, estão obrigadas a fornecer mensalmente à Polícia Federal todas as informações referentes às atividades praticadas com produtos químicos no mês anterior, por meio dos mapas de controle, constantes do Anexo IV (de A a G).  
 
§ 1º A unidade de medida registrada nos mapas de controle deverá ser a mesma constante da  
respectiva nota fiscal, independentemente daquela utilizada para controle interno da empresa.  
 
§ 2º Os mapas de controle deverão ser enviados à Polícia Federal até o décimo quinto dia do mês  
subsequente.  
 
Art. 51. Deverão constar dos mapas de controle as operações de:  
 
I - fabricação e produção: especificações e quantidades produzidas e fabricadas de 
produtos  
químicos controlados;  
 
II - utilização: especificações, quantidades e procedência dos produtos químicos 
controlados  
utilizados;  
 
III - comercialização, compra, venda, aquisição, permuta, empréstimo, cessão, doação,  
importação, exportação, reexportação, transferência, remessa e distribuição: especificações, quantidades, procedência e destino dos produtos químicos controlados comercializados, adquiridos, vendidos, permutados, emprestados, cedidos, doados, importados, exportados, reexportados, transferidos, remetidos, distribuídos e transportados;  
 
IV - transformação: especificações, quantidades e procedência dos produtos químicos controlados que sofreram transformação química, assim como as especificações e quantidades dos produtos químicos controlados obtidos no processo;  
 
V - armazenamento: especificações, quantidades, procedência e destino dos produtos 
químicos  
controlados armazenados;  
 
VI - transporte: especificações, quantidades, procedência e destino dos produtos 
químicos  
controlados transportados; e  
 
VII - reaproveitamento: especificações, quantidades e procedência dos produtos 
químicos  
reciclados ou reaproveitados, incluindo resíduos ou rejeitos industriais e, quando for o caso, especificações 
e quantidades dos produtos químicos controlados obtidos no processo.  
 
Parágrafo único. Os dados referentes a roubo, furto, extravio e demais perdas ou referentes à 
devolução de produtos químicos controlados, total ou parcial, deverão ser informados nos campos próprios constantes dos mapas de controle pertinentes, com as respectivas observações.  
 
Art. 52. Os dados declarados nos mapas de controle relativos à evaporação do produto químico deverão atender às normas do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - INMETRO, da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT ou, na ausência destas, de normas reconhecidas internacionalmente.  
 
§ 1º No caso de evaporação decorrente de problemas técnicos e estruturais, deverá ser  
apresentada justificativa técnica para o fato, quando do envio dos mapas de controle.  
 
§ 2º A Polícia Federal poderá determinar a apresentação de documentação e, se for o caso, a 
realização de exame pericial para comprovação da evaporação declarada.  
Art. 53. É obrigatório o envio mensal dos mapas de controle, mesmo que no período não tenha  
ocorrido atividade com os respectivos produtos químicos controlados.  
 
Art. 54. Os mapas de controle deverão ser enviados à Polícia Federal exclusivamente por meio  
eletrônico em sistema específico de Controle de Produtos Químicos.  
 
 
CAPÍTULO V  
 
DOS PRODUTOS QUÍMICOS  
 
Seção I  
 
Disposições Gerais  
 
Art. 55. Os produtos químicos relacionados no Anexo I, com exceção dos que constam na Lista VII,  
estão sujeitos a controle e fiscalização em todas as atividades descritas no art. 1º da Lei nº 10.357, de 2001, 
nas transações acima de um grama ou um mililitro.  
 
§ 1º O disposto neste artigo também se aplica aos seus respectivos sais e misturas e aos resíduos  
contendo produtos químicos controlados.  
 
§ 2º As regras constantes no Anexo I serão aplicadas sem prejuízo das normas constantes deste  
capítulo.  
 
Seção II  
 
Das Atividades com Precursores e Fármacos  
 
Art. 56. Para os precursores, definidos na Lista I, e os fármacos, definidos na Lista III, ambas do Anexo I, somente será emitido CLF ou AE nos seguintes casos:  
 
I - para pessoa jurídica do ramo químico-farmacêutico, de saúde, alimentício e de pesquisa  
científica;  
 
II - para pessoa jurídica que exerça atividade diversa daquelas relacionadas no inciso anterior, que  
comprove a necessidade do fármaco; e  
 
III - para pessoa física que desenvolva atividade na área de pesquisa científica.  
 
§ 1º Para fins de cumprimento deste artigo, deverá ser apresentada a respectiva licença ou  
autorização do órgão de controle sanitário e ambiental, quando for o caso.  
 
§ 2º Os produtos químicos constantes das listas I e III, quando em estoque, deverão ser guardados 
em local separado, exclusivo para este fim, devidamente identificados e sob chaves ou outro dispositivo que ofereça segurança.  
 
§ 3º Atendido o disposto no § 2º deste artigo, os fármacos ficarão sob a responsabilidade do  responsável técnico, quando houver, ou, caso contrário, deverá ser designado responsável específico para 
este fim.  
 
Seção III  
 
Das Isenções  
Art. 57. Estão isentos de controle os seguintes produtos formulados com substância química  
controlada:    
I - medicamentos: produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com 
finalidade  
profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico;  
 
II - correlatos (quando empregados na atividade médico-hospitalar): substância, 
produto, aparelho ou acessório, cujo uso ou aplicação esteja ligado à defesa e à proteção da saúde individual ou coletiva, à higiene pessoal ou à higiene de ambientes, ou a fins diagnósticos e analíticos, quando empregados exclusivamente em hospitais e/ou clínicas;  
 
III - saneantes: substâncias ou preparações destinadas à higienização, à desinfecção ou à desinfestação domiciliar, em ambientes coletivos e/ou públicos, em lugares de uso comum e no tratamento da água, compreendendo inseticidas, raticidas, desinfetantes e detergentes;  
 
IV - cosméticos: produto para uso externo, destinado à proteção ou ao embelezamento 
corporal;  
 
V - produtos de higiene: produto para uso externo, antisséptico ou não, destinado ao 
asseio ou à  
desinfecção corporal;  
 
VI - artigos de perfumaria, fragrâncias e aromas: produtos de composição romática que tenham como principal função a odorização de pessoas ou ambientes ou conferir essas propriedades a alimentos e formas farmacêuticas;  
 
VII - alimentos e bebidas: substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido ou qualquer outra forma de apresentação, destinados a fornecer ao organismo humano os elementos normais à sua formação, manutenção e desenvolvimento;  
 
VIII - agrotóxicos: produtos e agentes de processos físicos, químicos e biológicos, destinados a uso nos setores de produção, armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, nas pastagens, na proteção de florestas, nativas ou implantadas, e de outros ecossistemas e também em ambientes urbanos, híbridos, industriais, cuja finalidade seja alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-la da ação danosa de seres vivos considerados nocivos, incluindo os agentes desfolhantes, dessecantes, estimuladores e inibidores de crescimento;  
IX - fertilizantes: substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais  
nutrientes vegetais;  
 
X - colas e adesivos: substância que serve para fazer aderir materiais diversos, capaz de manter  
dois materiais unidos pela junção de suas superfícies;  
 
XI - tintas, vernizes, resinas, vedantes e selantes: produtos usados para proteger, dar 
cor e/ou  
vedar objetos ou superfícies;  
 
XII - kits de reagentes para ensino, pesquisa e uso diagnóstico: conjunto de objetos ou 
materiais  
agregados para finalidade de ensino, pesquisa ou uso diagnóstico; e  
 
XIII - outros que, após parecer técnico privativo da Polícia Federal, não possuam propriedades para emprego direto ou indireto na produção de drogas, dada a sua natureza, concentração, aspecto e estado físico ou pelo fato de não ser economicamente viável proceder à separação dos componentes químicos controlados.  
 
Parágrafo único. Para efeito da aplicação deste artigo, os produtos formulados deverão,  
cumulativamente:  
 
I - possuir aplicação direta no ramo de atividade a que se destina;  
 
II - atender às exigências específicas dos respectivos órgãos normativos e/ou reguladores, quando  
houver; e  
 
III - possuir classificação fiscal diversa dos produtos químicos relacionados nas listas do Anexo I,  
exceto os previstos na Lista VII.  
 
Art. 58. Estão isentos de controle os seguintes produtos formulados à base de substâncias  
químicas controladas, exceto quando se tratar de exportação ou reexportação para a Bolívia, a Colômbia e o 
Peru:  
 
I - solução à base de solventes orgânicos cuja concentração total das substâncias 
químicas  
controladas não ultrapasse 60% (sessenta por cento), exceto cloreto de etila;  
 
II - solução à base de solventes orgânicos, fabricada para uso como removedor de 
esmalte de  unhas, cuja concentração total da substância química controlada não ultrapasse 60% (sessenta por cento), 
contenha corante e seja destinada ao varejo em embalagem de até quinhentos mililitros;  
 
III - solução de éter etílico fabricada para uso médico-hospitalar, cuja concentração total de substância química controlada não ultrapasse 60% (sessenta por cento) e que seja destinada ao varejo em embalagem de até quinhentos mililitros;  
 
IV - óleo de sassafrás, outros óleos similares ou preparações contendo safrol e/ou 
piperonal com  
concentração individual igual ou inferior a 4% (quatro por cento); e  
 
V - solução eletrolítica de bateria formulada à base de até 40% (quarenta por cento) 
de ácido sulfúrico, destinada ao varejo e em embalagem de até um mil mililitros, sendo o limite de isenção para pessoa jurídica a quantidade de duzentos litros e para pessoa física a quantidade de cinco litros, por mês.  
 
Art. 59. O produtor não está dispensado de atender às normas de controle estabelecidas nesta portaria com relação aos produtos químicos empregados como matéria-prima no processo de produção, ainda que o produto final seja isento.  
 
CAPÍTULO VI  
 
DO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE INFRAÇÃO  
 
Seção I  
 
Disposições Gerais  
 
Art. 60. As normas dispostas nesta portaria aplicam-se subsidiariamente às regras previstas no Decreto nº 4.262, de 10 de junho de 2002.  
 
Art. 61. Para efeito do que determinam os §§ 1º e 5º do art. 6º do Decreto nº 4.262, de 2002, a  
parte poderá ser notificada ou cientificada:  
 
I - por meio eletrônico;  
 
II - por via postal com aviso de recebimento; ou  
 
III - por qualquer outro meio que assegure a certeza da ciência do interessado.  
 
Art. 62. A parte terá acesso ao Processo Administrativo de Infração - PAI em curso.  
 
§ 1º O acesso a que se refere o caput será realizado por meio físico e/ou eletrônico, a depender  
da forma como o processo se encontra na Unidade Central.  
 
§ 2º Para acesso ao PAI, o representante ou procurador da parte deverá apresentar na Unidade Central de Controle de Produtos Químicos procuração com poderes específicos e documento pessoal com fotografia.  
Seção II  
 
Do Procedimento  
 
Art. 63. Quando da fiscalização realizada pela Unidade Regional de Controle de Produtos Químicos 
não se verificar quaisquer das infrações previstas no art. 12 da Lei nº 10.357, de 2001, conforme disposto no caput do art. 6º do Decreto nº 4.262, de 2002, o Chefe da Unidade ou o Presidente da Comissão de Fiscalização deverá encaminhar o auto de fiscalização e as demais peças processuais, com parece fundamentado, à Unidade Central de Controle de Produtos Químicos para análise e decisão acerca do arquivamento.  
 
Art. 64. Para efeito do que determina o § 1º do art. 6º do Decreto nº 4.262, de 2002, quando  
constatadas no auto de fiscalização quaisquer das infrações previstas no art. 12 da Lei nº 10.357, de 2001, o auto de fiscalização e as demais peças processuais deverão ser encaminhados à Unidade Central de Controle de Produtos Químicos para análise e decisão.  
 
§ 1º As medidas previstas no caput serão adotadas após decorrido o prazo de trinta dias previsto  
no art. 15 da Lei nº 10.357, de 2001.  
 
§ 2º Transcorrido o prazo de defesa, o PAI será encaminhado ao Chefe da Unidade Central de Controle de Produtos Químicos, que decidirá pela aplicação das medidas administrativas previstas no art. 14 da Lei nº 10.357, de 2001 ou pelo arquivamento.  
 
Seção III  
 
Da Destinação de Produtos Químicos Apreendidos  
 
Art. 65. A decisão, em PAI, que concluir pela perda da propriedade de produtos químicos  
apreendidos determinará a destinação do bem nos termos do § 2º do art. 15 da Lei nº 10.357, de 2001.  
 
Parágrafo único. O proprietário dos produtos químicos apreendidos poderá renunciar ao direito de 
propriedade antes do trânsito em julgado da decisão a ser roferida em processo administrativo, por meio de petição a ser analisada nos autos do PAI, observado o art. 47 desta portaria.  
 
Art. 66. Os procedimentos para destruição de produtos químicos apreendidos deverão atender ao  
disposto na Seção III do Capítulo IV.  
 
Art. 67. A alienação de produtos químicos apreendidos será realizada nos termos da legislação  
vigente para a venda de bens móveis inservíveis para a dministração.  
 
Art. 68. A doação de produtos químicos prevista no § 2º do art. 15 da Lei nº 10.357, de 2001, será  
realizada às expensas do infrator.  
 
CAPÍTULO VII  
 
DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS  
 
Art. 69. Para atender ao disposto nesta portaria, a Polícia Federal disponibilizará Sistema Informatizado de Controle de Produtos Químicos.  
 
Art. 70. Os procedimentos operacionais relativos às atividades de fiscalização serão  
regulamentados em Instrução Normativa da Polícia Federal.  
 
Art. 71. Os certificados, autorizações, mapas de controle e formulários relacionados nos anexos à esta portaria poderão, a qualquer época, ser substituídos por outros que permitam aperfeiçoar os mecanismos de controle e fiscalização de produtos químicos, mediante edição de Instrução Normativa da Polícia Federal.  
 
Art. 72. O disposto no art. 37 deverá ser implementado no prazo de um ano, a contar da data de publicação desta portaria, permanecendo válidos os produtos embalados e identificados conforme os critérios estabelecidos na Portaria MJ nº 1.274, de 26 de agosto de 2003, até o término do prazo de validade.  
 
Art. 73. Após a entrada em vigor desta portaria, a pessoa física ou jurídica já cadastrada na Polícia Federal que esteja exercendo atividades sujeitas a controle e fiscalização deverá declarar os quantitativos em estoque dos produtos químicos controlados e os mapas de controle subsequentes no novo sistema de controle de produtos químicos disponibilizado pela Polícia Federal.  
 
Art. 74. As dúvidas e casos omissos serão resolvidos pelo dirigente da Unidade Central de Controle 
de Produtos Químicos da Polícia Federal.  
 
Art. 75. Ficam revogadas:  
 
I - a Portaria MSP nº 256, de 26 de dezembro de 2018; e  
 
II - a Portaria MJ nº 1.274, de 25 de agosto de 2003, e seus anexos.  
 
Art. 76. Esta portaria entra em vigor:  
 
I - na data de sua publicação em relação ao disposto no art. 75, inciso I; e  
 
II - noventa dias após a data de sua publicação para os demais dispositivos.  
 
 
SERGIO MORO  



++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++



PORTARIA Nº 10, DE 16 DE ABRIL DE 2019

Estabelece normas e procedimentos para a implantação e funcionamento do Sistema de Controle e Fiscalização
de Produtos Químicos (SIPROQUIM 2) no âmbito da Polícia Federal.

O DIRETOR-EXECUTIVO DA POLÍCIA FEDERAL, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos VI e X
do art. 38 do Regimento Interno da Polícia Federal, aprovado pela Portaria nº 155/2018-MSP, de 27 de
setembro de 2018, do Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Segurança Pública, publicada no DOU
nº 200, Seção 1, de 17 de outubro de 2018,
Considerando que o Sistema de Controle de Produtos Químicos foi previsto na Portaria MJSP 240, de 12 de
março de 2019, no âmbito da Polícia Federal (DOU nº 50, Seção 1, p. 41-58, de 14 de março de 2019);
Considerando que compete à Polícia Federal o controle e a 􀁺scalização de produtos químicos que possam
ser utilizados como insumo na elaboração de substâncias entorpecentes, psicotrópicas ou que
determinem dependência física ou psíquica;
Considerando que pessoas físicas e jurídicas, para o regular exercício das atividades com produtos
químicos controlados, deverão se cadastrar na Polícia Federal;
Considerando, ainda, que o Certi􀁺cado de Registro Cadastral, o Certi􀁺cado de Licença de Funcionamento
e a Autorização Especial serão disponibilizados na forma eletrônica;
Considerando, por 􀁺m, que todos os requerimentos, formulários, comunicados e documentos previstos na
legislação que rege a matéria serão enviados via sistema informatizado;, resolve:
Art. 1º Ficam estabelecidos normas e procedimentos para o funcionamento e utilização do novo Sistema
de Controle e Fiscalização de Produtos Químicos, doravante denominado Siproquim 2, no âmbito da
Polícia Federal.
Art. 2º O Siproquim 2, especi􀁺camente os módulos autoatendimento, cadastro e mapas, entrará em
funcionamento no dia 12 de junho de 2019, data em que haverá mudança nos procedimentos referentes ao
cadastro, licença, envio de mapas de controle e demais solicitações.
Art. 3º Todos os requerimentos/comunicados/informações de que tratam o artigo anterior deverão, a
partir da data assinalada, ser realizados no Siproquim 2, seguindo as regras estabelecidas na Port. MJSP
240/19.
Art. 4º Os processos administrativos de infração, até a futura entrada em produção desse módulo
especí􀁺co, continuarão a tramitar no Sistema Eletrônico de Informações (SEI).
Art. 5º Os links de acesso e as orientações sobre os procedimentos a serem adotados serão
disponibilizados, na data de implantação do Siproquim 2, no endereço eletrônico:
"http://www.pf.gov.br/servicos-pf/produtos-quimicos".
Art. 6º Por razões técnicas de migração de sistemas e em virtude da entrada em vigor da Port. MJSP
240/19, apenas será recebido requerimento com base na Port. MJ 1.274/03 até o dia 11 de junho de 2019.
Art. 7º As dúvidas e casos omissos serão resolvidos pela DCPQ/CGCSP/DIREX/PF.
Art. 8º Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação.
DISNEY ROSSETI



+++++++++++++++++++++++++++++++++



PORTARIA Nº 577, DE 5 DE JUNHO DE 2019
MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA

GABINETE DO MINISTRO

DOU de 06/06/2019 (nº 108, Seção 1, pág. 39)

Prorroga a data de entrada em vigor da Portaria nº 240, de 12 de março de 2019, que estabelece procedimentos para o controle e a fiscalização de produtos químicos e define os produtos químicos sujeitos a controle pela Polícia Federal.

O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 2º da Lei nº 10.357, de 27 de dezembro de 2001, no Decreto nº 4.262, de 10 de junho de 2002, e no Decreto nº 9.094, de 17 de julho de 2017, resolve:

Art. 1º - A Portaria nº 240, de 12 de março de 2019, passa a vigorar com a seguinte redação:

"Art. 76 - Esta portaria entra em vigor:..............................................................

II - em 1º de setembro de 2019 para os demais dispositivos."

Art. 2º - Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação.

SERGIO MORO